Categorias

O pterígio volta? Principais dúvidas

Quarta, 29 de Agosto de 2018

Pterígio: O que é, como prevenir e tratamentos

Quarta, 22 de Agosto de 2018
O que é pterígio?É uma lesão benigna caracterizada pelo crescimento de uma “pele esbranquiçada” sobre o olho. Popularmente conhecida como carne crescida no olho, o pterígio é composto de um

Toxoplasmose: sintomas, tratamento e prevenção

Domingo, 05 de Agosto de 2018
Conhecida também como a doença das fezes do gato, a toxoplasmose(CID10 - B58) é um problema de saúde sério e mais comum do que se imagina. De acordo com o Center for Disease Control and Preventio

Conjuntivite: Prevenção e Tratamento

Terça, 12 de Dezembro de 2017
Acordar com sensação de presença de areia nas pálpebras e cisco nos olhos, globo ocular avermelhado, coceira, secreção e dificuldade em abrir os olhos são sintomas conhecidos da conjuntivite. A

Insuficiência Cardíaca - O que você precisa saber

Terça, 12 de Dezembro de 2017
O que é?A insuficiência cardíaca (IC) é uma doença cardiovascular na qual o coração fica incapacitado de bombear sangue em quantidade suficiente para suprir as necessidades do organismo. O bomb

Corrimento Vaginal

Terça, 12 de Dezembro de 2017
O corrimento vaginal é uma queixa comum entre as mulheres, principalmente em idade fértil. Ele é caracterizado pela eliminação de líquido (não sangue) através da vagina, podendo estar associad

Astigmatismo: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento

Terça, 12 de Dezembro de 2017
O astigmatismo é um erro ocular refrativo, no qual a imagem não atinge a retina em um único ponto focal, mas sim, em duas linhas focais separadas. Isso é provocado pela assimetria da córnea, do c

Principais cuidados que devemos tomar com as lentes de contato

Terça, 12 de Dezembro de 2017
As lentes de contato evoluíram e se tornaram cada vez mais importantes, trazendo grandes benefícios para os que necessitam de correção visual. Elas corrigem muitos defeitos de refração, proporci

Miopia: sintomas, causas, diagnóstico e tratamento

Terça, 12 de Dezembro de 2017
A miopia é uma doença ocular caracterizada pela dificuldade de enxergar à distância. Isso ocorre por que o olho míope é mais longo do que o normal e dessa maneira, o foco visual é formado antes

Câncer de pele

Terça, 12 de Dezembro de 2017
O que é?O câncer de pele é uma doença que resulta do crescimento descontrolado (anormal) das células da pele, que se multiplicam rapidamente podendo gerar tumores. O câncer de pele é mais

Jejum intermitente

Terça, 12 de Dezembro de 2017
Nosso organismo necessita de energia para realizar as diversas reações químicas responsáveis pelo funcionamento adequado do corpo. Essa energia que é chamada de glicose é obtida através da alim

Pílula anticoncepcional

Terça, 12 de Dezembro de 2017
A pílula oral é um tipo de anticoncepcional hormonal utilizado por muitas mulheres, com a principal finalidade de prevenir a gravidez. Ela é a primeira opção entre os métodos anticoncepcionais e

Cuidados para deixar a pele do rosto mais bonita e saudável

Terça, 12 de Dezembro de 2017
A aparência “perfeita” da pele, principalmente a do rosto é o sonho da maioria das pessoas. Uma pele bonita não é apenas questão de beleza, mas também de autoestima e bem estar. Fatores gen

Depressão: o que é, causas, sintomas, tratamentos

Terça, 12 de Dezembro de 2017
O desconforto de não ver possibilidades para o amanhã, tristeza, insônia, melancolia e falta de energia são alguns dos sinais de uma doença que assola grande parte da população: a depressão. S

Acne: tipos, tratamentos e prevenção

Terça, 12 de Dezembro de 2017
A acne é tão comum que às vezes esquecemos que ela é um tipo de doença dermatológica que pode causar sérios problemas não só de saúde física, mas também de saúde mental, pois pode comprom

Ceratocone

Terça, 12 de Dezembro de 2017
Ceratocone é uma doença progressiva da córnea na qual a baixa rigidez do colágeno permite uma protrusão e afinamento deste tecido, assumindo uma forma cônica (do grego: “kerato” significa c

Depressão: o que é, causas, sintomas, tratamentos

O desconforto de não ver possibilidades para o amanhã, tristeza, insônia, melancolia e falta de energia são alguns dos sinais de uma doença que assola grande parte da população: a depressão. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) a depressão atinge 300 milhões de pessoas no mundo. Ainda objeto de estudos para sua inteira compreensão, o distúrbio afetivo é considerado pela Associação Médica Brasileira como uma condição médica comum, crônica, recorrente e incapacitante. Nos anos 90, por exemplo, a depressão foi considerada a quarta causa de incapacitação no mundo. A previsão para os anos de 2020 é que ela seja a segunda causa de incapacitação em países desenvolvidos e a primeira e países em desenvolvimento, como o Brasil [1].


De acordo com dados da Associação Brasileira de Psiquiatria, há certos grupos de indivíduos mais propícios a apresentarem episódios depressivos. Pesquisas demonstraram que a prevalência de depressão em mulheres é de 2 a 3 vezes mais frequente do que em homens. Além disso, é estimado que entre 22% a 33% dos pacientes internados por qualquer doença física ou mental apresentem depressão. Não obstante, 80% dos indivíduos que já apresentaram algum episódio depressivo terão uma segunda crise depressiva ao longo de suas vidas.

Apesar dos altos índices, a depressão é uma doença com métodos comprovados para seu tratamento. O primeiro passo, entretanto, é identifica-la. De acordo com dados da diretriz da Associação Médica Brasileira, de 50% a 60% dos casos de depressão não são detectados pelo médico clínico e, assim, não são tratados.


Sintomas


Segundo o Código Internacional de Doenças (CID), o critério de diagnóstico para identificar um episódio depressivo leva em consideração alguns sintomas, elencados abaixo:

·        Humor deprimido: quando não há prazer em realizar qualquer atividade durante a maior parte do dia;

·        Falta de interesse em exercer quaisquer atividades;

·        Fadiga: sensação de cansaço extrema, mesmo sem nenhum motivo aparente;

·        Concentração e atenção reduzidas

·        Falta de auto-estima e auto-confiança

·        Prevalência de ideias de culpa e de inutilidade

·        Constante visão pessimista do sobre o futuro

·        Ideias referentes a atos de automutilação ou de suicídio

·        Insônia ou dificuldade para dormir

·        Falta de apetite

Contudo, é importante salientar a diferença entre um episódio de tristeza e a depressão propriamente dita. A tristeza é considerada como consequência de alguma ocorrência ou fato do cotidiano e geralmente se prolonga por até 20 dias, mesmo sem tratamento. Ou seja: se sabe a razão daquela sensação e a própria pessoa consegue identifica-la e naturalmente sair de tal condição.

A depressão, entretanto, pode não ter um motivo específico para o aparecimento dos sintomas acima descritos. Se não tratada, a doença pode avançar por três estágios: leve, moderada e grave. Por isso, é de extrema importância procurar um tratamento médico apropriado ao identificar algum desses sinais – seja em você mesmo ou em alguma pessoa próxima. O baixo índice de tratamento – de 40% dos casos, como relatado anteriormente – é um fator decisivo para o agravamento da doença.


Causas


Aa causas específicas para depressão ainda são incertas. Enquanto sintoma de alguma outra condição, a depressão pode surgir de diferentes quadros clínicos, tais como:

·        Transtorno de estresse pós-traumático;

·        Demência;

·        Esquizofrenia;

·        Alcoolismo;

·        Doenças como Parkinson, reumáticas, câncer e outras doenças clínicas;

·        Circunstâncias sociais e econômicas adversas, como situações intensas de perda que levam o paciente a não visualizar mais significado ou valores para sua vida.


Mudanças fisiológicas


Além disso, evidências de pesquisas científicas demonstraram que pessoas diagnosticadas com depressão possuem alterações químicas em seu cérebro. Essas alterações são identificadas, sobretudo, pela modificação da quantidade de neurotransmissores – responsáveis por determinados impulsos cerebrais – como a serotonina, a noradrenalina e a dopamina. Todos esses neurotransmissores estão ligados direta ou indiretamente com sensações de bem-estar – e, em cérebros de indivíduos considerados deprimidos, tais neurotransmissores são identificados em menores quantidades ou fora da normalidade.

As modificações fisiológicas provocadas pela depressão é uma das razões pelas quais a condição é denominada clinicamente como Síndrome. Se não tratada, pode levar o corpo a desenvolver outras doenças fisiológicas.


Estresse e Depressão


Pessoas com rotinas estressantes possuem maiores chances de apresentar sintomas de depressão. É o que identificou um estudo realizado[2] por pesquisadores da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos: um dos maiores fatores de risco para um indivíduo apresentar depressão deriva-se de situações estressantes da vida cotidiana, principalmente stress interpessoal – aqueles ocasionados por algum atrito com outra pessoa – e rejeição social – situação na qual o indivíduo é demitido, por exemplo.

Tal estudo considerou modificações biológicas ocasionadas pela depressão e constatou que fatores estressantes levam a inflamações pelo corpo que, por sua vez, podem desencadear a depressão. Para os estudiosos, não é por acaso que pessoas deprimidas comumente apresentam doenças inflamatórias ou imunológicas, como asma, artrite reumatoide, síndrome metabólica, entre outras.


Tratamento Psicológico


De acordo com a Diretriz da Associação Médica Brasileira para o tratamento da depressão, em casos considerados leves ou moderados, são efetivas no tratamento de episódios de depressão diferentes tipos de psicoterapia - como psicoterapia cognitiva, psicoterapia interpessoal e psicoterapia de solução de problemas. Tais sessões devem ocorrer de forma semanal pelo menos nas primeiras quatro a seis semanas de tratamento. É preciso lembrar da importância de um planejamento de uma clínica antidepressiva, pois todo e qualquer tratamento envolve a fase aguda, de continuação e de manutenção, descritas abaixo:


·        Fase aguda: refere-se aos dois e três primeiros meses de tratamento e possui o objetivo de diminuir os sintomas da depressão;

·        Fase de continuação: refere-se ao quarto até o sexto mês após a fase aguda e possui o benefício de evitar recaídas dentro de um mesmo episódio depressivo;

·        Fase de manutenção: após a fase de continuação, caso o paciente apresente recaídas e o médico identifica que o paciente possui alta probabilidade de recorrência, essa fase irá monitorar o paciente para evitar novos episódios de depressão.


Tratamento com antidepressivos

Os antidepressivos são medicamentos que alteram a química do cérebro para evitar episódios de depressão. Esses medicamentos são eficazes principalmente para pacientes diagnosticados com depressão moderada ou grave. Entretanto, é importante seguir à risca a prescrição fornecida pelo médico, uma vez que a suspensão abrupta ou o incorreto uso dos antidepressivos pode agravar a depressão.


Para saber mais, marque uma consulta com um médico psiquiatra em Maringá. Agendamento rápido, qualidade e preço acessível é na SEUMED. Acesse:


Médicos, agendamento e valor de consulta


[1] http://www.ismd.com.br/wp-content/uploads/2013/10/Diretrizes_Tratamento_Depressao.pdf

[2] https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/24417575